Hy Brasil, a história de uma lenda • Geraldo Cantarino

Era uma vez uma ilha. Fabulosa, fantástica, fascinante. Uma porção de terra imaginária, cercada de água, lendas e sonhos por todos os lados. Hy-Brazail ou Hy Brasil tem muita história para contar. Essa antiga ilha do Atlântico representou o Paraíso Terrestre, enfeitiçou navegadores e ludibriou cartógrafos por anos a fio. De sua origem mítica na cultura celta, ela atravessou as brumas do tempo e ganhou existência física em cartas náuticas e mapas por mais de 500 anos. Fugaz por natureza, desapareceu sem deixar vestígios, mas ficou eternizada na memória popular como um lugar encantado, abençoado, do Outro Mundo.

Mas o que é Hy Brasil? Há quem diga que nenhuma outra ilha ilusória do Atlântico recebeu tantas identidades como Hy Brasil, Brazil, Breasil, Breasal ou, simplesmente, Brasil. Reza a lenda que ela existia em algum lugar na costa oeste da Irlanda. Sempre coberta por intenso nevoeiro, era vista muito raramente. A cada sete anos, a névoa se dissipava e aquela ilha encantada aparecia por inteiro. Assim, montanhas, verdes pastos e uma cidade luminosa se tornavam, momentaneamente, visíveis. Nessa terra celta de muito encantamento viveriam fadas, mágicos e sábios curandeiros. Lendas e mitos da antiguidade irlandesa estão repletos de heróis que, atraídos pela visão fantástica de torres e abóbadas douradas, lançaram-se ao mar em busca dessa visão. Entretanto, toda vez que se aproximavam, a ilha desaparecia misteriosamente.

Hy Brasil é considerada a mais intrigante de todas as lendárias ilhas do Atlântico. É a Atlântida irlandesa. Sua história tem origem provavelmente na era pré-cristã. Um de seus primeiros registros é do século VII, no texto irlandês conhecido como The adventure of Bran, Son of Febal. O manuscrito conta a visita de Bran a essa ilha, sustentada por pilares de ouro, onde não existia tristeza ou doença e as pessoas eram sempre felizes, embaladas por muita música. Outras definições a incluem na categoria de lugares indecifráveis, de existência duvidosa, permeando os limites entre o real e o imaginário.

Strange Island in Fog. Hy-Brasil allegedly disappeared into the mist. Fonte: BBC

Há quem acredite que o encanto não se perdeu. Mesmo depois de séculos, Hy Brasil continuaria sendo o esconderijo de criaturas mágicas, cuja existência é negada na terra dos homens. É a morada escolhida por fadas, dragões e deuses aposentados. Ou, ainda, duendes, gnomos e antigas tribos, quando não mais encontram um lugar para viver no nosso mundo. Em Hy Brasil a sabedoria do passado estaria preservada e a antiga magia continuaria viva como em nenhum outro lugar. Do imaginário popular às cartas náuticas, a crença nessa ilha foi tão forte que ela acabou adquirindo uma intrigante existência em mapas antigos. A primeira aparição cartográfica de Hy Brasil ou Ilha Brasil de que se tem notícia foi em 1325 e a última, provavelmente, em 1850. Um detalhe que chama atenção dos pesquisadores é o fato de a ilha ter tido, na maioria das vezes, a mesma localização: no litoral oeste da Irlanda. Fixada nos mapas, Hy Brasil deixou de ser apenas alvo incerto de triviais aventuras e virou destino de exploradores mais experientes. Ela passou a ser cobiçada não apenas por seus dotes idílicos ou por seus poderes mágicos, mas como um pedaço de terra de verdade a ser conquistado e colonizado. Entretanto, nela ninguém desembarcou. As manifestações artísticas acabaram se tornando o principal caminho, mesmo que simbólico, para se chegar a Hy Brasil. Poetas, músicos, pintores e escritores perseguiram imagens e lendas para reconstruir o que não foi possível alcançar no mundo real.

E o seu nome, de onde viria? Segundo estudiosos, Hy é uma variante de í, que no irlandês antigo significa ilha, e por isso encontramos também a forma I-Brasil, ou seja, Ilha Brasil. A palavra Brasil, por sua vez, viria da raiz bres, que significa poderoso, grandioso, notável, belo, e dá origem ao nome próprio Breasal, um deus da mitologia irlandesa, considerado o Grande Rei do Mundo.

Mas estaria a Ilha Brasil associada de alguma forma ao batismo do Brasil dos brasileiros? Alguns pesquisadores irlandeses acreditam que sim. A história oficial brasileira afirma que não: o nosso “Brasil” vem da árvore pau-brasil.

Independentemente dessa discussão, o certo é que a palavra “brasil” teve uma trajetória irlandesa muito antes de Pedro Álvares Cabral gritar “terra à vista” nas águas da Bahia. O historiador Gustavo Barroso achava que seria lícito perguntar o que preferem os brasileiros: “que o nome de sua pátria signifique Terra Abençoada, Terra Afortunada, Terra dos Bem-Aventurados ou recorde unicamente o vulgar e utilitário comércio dum pau de tinta?”

Trecho do poema Cider de Paul Muldoon, publicado no livro de Geraldo Cantarino uma Ilha chamada Brasil, 2004.

“Será que de fato o Brasil deve o seu nome a raízes irlandesas mais antigas, a uma língua que ainda luta para articular a oculta geografia histórica de sua própria herança atlântica?”

Angus Mitchell, historiador e autor do texto “Origins of Brazil.”

Neste livro, o jornalista Geraldo Cantarino reúne inúmeros poemas mencionando a misteriosa ilha, além de ser uma pesquisa minuciosa em torno dela, as ligações do Brasil com a Irlanda, a história do descobrimento do Brasil, as hipóteses sobre a origem do nome Brasil, trechos da carta de Pero Vaz de Caminha. Cantarino também fala sobre Roger Casement e a influência dele na Amazônia.


Geraldo Cantarino é jornalista formado pela Universidade Federal Fluminense, em Niterói-RJ, cidade onde nasceu. Trabalhou como produtor jornalístico do programa Globo Ciência, da Rede Globo, repórter da TV Bandeirantes em Brasília e roteirista e apresentador da Multirio. Vive na Inglaterra desde 1999. É autor de quatro livros publicados pela Mauad X. Informações sobre os livros estão disponíveis no blog do autor: www.cantarino.com.


[Texto publicado em nossa primeira edição da revista Diáspora “Conexões Brasil & Irlanda,” em Dezembro, 2020.]

Leia também a entrevista com a especialista em estudos irlandeses e em Roger Casement, Mariana Bolfarine: